Comemoração do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência


Neste dia especial, começamos por contar a história de Luísa Ducla Soares Meninos de todas as Cores para sensibilizar os nossos alunos para a aceitação da diferença. 


A partir desta história que nos levou através do mundo para conhecer meninos de todas as cores e com diferentes culturas, pudemos falar dos nossos alunos de etnia cigana, dos meninos da Unidade de Ensino Estruturado, com perturbações do espetro do autismo, e de um menino do jardim de infância com graves limitações motoras.

Através de exemplos práticos, demonstrámos que os alunos com deficiência podem fazer as mesmas coisas que os os outros, mas de forma diferente e seguindo algumas regras em termos de comportamento. 


Um dos alunos autistas, que raramente fala, conseguiu dizer uma frase. Explicou-se ainda a razão de ser de alguns comportamentos destes alunos e conseguiu-se demonstrar a dificuldade que o menino com limitações motoras tinha para se fazer compreender, embora tivesse uma capacidade cognitiva que lhe permitia saber contar até cinco ou saber as cores. O piscar dos olhos, o chorar quando a professora se enganava de propósito na contagem, possibilitou revelar uma nova faceta deste aluno com limitações muito graves. 


Depois, passámos para o exterior onde se efetuaram  jogos que levavam alunos e adultos a experimentar incapacidades como não ter um membro inferior ou não poder ver. Estas atividades permitiram experimentar as deficiências e compreender as emoções, necessidades e grande esforço que as pessoas com deficiência sentem todos os dias para se adaptarem  ao meio que os rodeia. 



 




Finalmente, os alunos e adultos (professores e funcionárias da escola) fizeram uma roda. Grandes laços vermelhos uniam todos os que faziam parte daquela comunidade educativa, de forma solidária, amiga, sem preconceito. Naquele momento, a aceitação de todos, como seres diferentes, mas iguais enquanto crianças que buscam a felicidade, a alegria, a aceitação de todos sem restrições.  

 Nas salas, realizámos ainda atividades relacionadas com os sentidos. Neste caso, os alunos tentavam fazer corresponder os cheiros característicos de cada fruto à respetiva imagem.





Os alunos escreveram ainda o nome próprio e uma palavra que estivesse relacionada com a a comemoração deste dia internacional: inclusão, integração, amizade, solidariedade..., mas desta vez utilizando o Braille.






Mensagens populares deste blogue

Fevereiro